zeldagames.info
BAIXAR MOBI
 

EU JUREI NAO MAIS SOFRER BAIXAR

zeldagames.info  /   EU JUREI NAO MAIS SOFRER BAIXAR
postado por Elke

EU JUREI NAO MAIS SOFRER BAIXAR

| Escritório

    Eu jurei não mais sofrer. Não chorar não me entregar a esse amor. Prometi ao coração. Não querer essa paixão em minha vida. Mais mentir não adianta. Eu só . Eu jurei não mais sofrer / Não chorar não me entregar a esse amor / Prometi ao coração / Não querer essa paixão em minha vida / Mais mentir não adianta. Limão Com Mel - Sem Amor Não Dá (Letra e música para ouvir) - Eu jurei não mais sofrer / Não chorar não me entregar a esse amor / Prometi ao coração / Não .

    Nome: eu jurei nao mais sofrer
    Formato:ZIP-Arquivar
    Sistemas operacionais: iOS. Android. Windows XP/7/10. MacOS.
    Licença:Somente uso pessoal
    Tamanho do arquivo:46.32 Megabytes


    BAIXAR NAO EU SOFRER JUREI MAIS

    Constrangeu-a vê-lo nu. As três garotas que Sílvio deixou no apartamento vieram prestar seus sentimentos, as três juntas, sem desgrudar. Padre Graça esperava resignado. De muitos. Sertanejo top Personal Blog. Calor sudanês. A Suzana também se escangalhou, me entregou a ponta e saiu colada nele. De vez em quando, um bate as botas. Devia ter trazido uma revista. Eu estou todo anestesiado. A Brites preparou o arsenal e combinaram de dormir fora, ela e a Suzana sabiam o quanto aquela noite era importante pra mim. A boca-livre teria início às nove. Por que tem um cara vestido de zebra tentando me levantar? Na Cinelândia. As bochechas vermelhas contrastavam com a pele branca e o rosto, muito delicado, era cortado por sobrancelhas negras e grossas que davam um ar masculino às feições dela. As harpias o roubariam dos quatro. Cada fim de tarde rosado, cada tempestade ou noite de lua cheia confirmava a escolha correta. Uns cornos mansos que desconhecem o deleite da amoralidade. Um dos passatempos prediletos do Casanova era entregar as mazelas dos analisandos para o pessoal da praia.

    Eu jurei não mais sofrer / Não chorar não me entregar a esse amor / Prometi ao coração / Não querer essa paixão em minha vida / Mais mentir não adianta. Limão Com Mel - Sem Amor Não Dá (Letra e música para ouvir) - Eu jurei não mais sofrer / Não chorar não me entregar a esse amor / Prometi ao coração / Não . Clique agora para baixar e ouvir grátis Limão com Mel ao vivo no Pereira postado por Lima88 Não quero mais,Por que não vê Baixar; Eu jurei não mais sofrer. Não chorar nao me entregar a esse amor. Prometi ao coração. Não querer essa paixão em minha vida. Mas mentir não adianta. Cifra para ukulele da música Sem amor não dá de Limão Com Mel. Baixar PDF. × Versão 2 (acústica) -======- D eu jurei não mais sofrer A Bm não chorar.

    Nem estou dormindo mais J no saio com os amigos Sinto falta dessa paz Que encontrei no seu sorriso Qualquer coisa entre ns Vem crescendo pouco a pouco E j no nos deixa ss Isso vai nos deixar loucos. Se eu pudesse te prender Dominar seus sentimentos Controlar seus passos Ler sua agenda e pensamento. Mas meu frgil corao Acelera o batimento e Faz turu turu turu turu turu turu tu. Eu desisto de entender um sinal que estamos vivos Pra esse amor que vai crescer No h logica nos livros E quem poder prever Um romance imprevisivel Com um turu turu turu turu turu turu tu.

    Se esse turu tatuado no meu peito Gruda e o turu turu turu no tem jeito Nem estou dormindo mais J no saio com os amigos Sinto falta desse turu turu turu turu tu. Please click tur if you are not redirected within a few seconds.

    What does this song mean to you? Nem estou dormindo mais J no saio com os amigos Sinto falta dessa paz Que encontrei no seu sorriso Qualquer coisa entre ns vem crescendo pouco a pouco E j no nos deixa ss, isso vai nos deixar loucos. É racismo? Que seja, dane-se Zumbi. Acho que tem a ver.

    A Irene ficou com a casa e eu com o carro. Na volta, a gente parava num daqueles motéis e via um filme pornô. Quando eu conseguia, repetia o feito. Eu ainda gostava de sacanagem naquela época, mesmo brochando. Foram as mulheres que me fizeram perder o interesse. Eu nunca dei trela. Gostava do Neto, do Ciro, do Sílvio e do Ribeiro. Opa, abriu. Esse sinal demora uma eternidade para abrir e dois segundos para fechar.

    Ainda falta um terço de faixa e essa porcaria fecha? Calcularam com quem esse tempo? Com o Ligeirinho? O que é?

    MAIS SOFRER BAIXAR NAO EU JUREI

    Vai passar por cima? Passa, desgraçado, parte o meu joelho ao meio com o seu farol de milha. Bueiro, calçada alta, fedentina, argentinos. Futebol, o dia inteiro. Adoro mesa-redonda. Parei no videocassete, minto, tenho um DVD que veio de brinde com a TV de quarenta polegadas, mas nunca me entendi com o controle remoto. Antes, eu alugava um filme ou outro no caminho do consultório do Mattos, mas fecharam a locadora. Tive a sorte de envelhecer fumando. Dane-se a humanidade.

    Desvio de obra. Como gostam de obra. Como é que esse pobre aguenta? Vai morrer cedo. Eu nunca encarei a morte como uma possibilidade. A morte é uma doença crônica. O Sílvio era magro, elegante e mau. Muito mau. Ele se suicidou naquele Carnaval. Tem muitos jeitos de o sujeito fazer isso. Mas era só trocar duas frases com o Sílvio para elas gamarem à loucura.

    Mulher adora ser maltratada. Isso foi no início. Com trinta e dois, o Sílvio casou com a Norma e a batida acalmou. Para piorar, a sogra do Sílvio foi morar com eles. A casa virou um Muro das Lamentações. Era choramingo, novela à noite e criança enchendo o dia inteiro: banho de criança, purê de criança, brinquedo de criança, meleca de criança, escola de criança, cocô de criança.

    Ele perdeu a paciência, enfiou o mais velho num internato em Petrópolis, de onde o menino só saía para dar uma pinta no Natal, botou a sogra para cuidar do menor, se despediu da Norma e se mandou para a garçonnière que mantinha na Glória. O Sílvio era da orgia. Bebemos à partida. Bebemos muito, numa festa no Leme, e tomamos umas bolas, também, que o Sílvio apresentou. Ele queria ensinar a gente a viver. Quando amanheceu, fomos expulsos, eu, o Ribeiro, o Neto, o Ciro e o Sílvio. O Sílvio propôs uma esticada na batcaverna dele.

    O Ciro se trancou no quarto com a argentina, o Ciro sempre soube fazer as coisas.

    Sorte Que Cê Beija Bem

    Brochei gloriosamente. Tomei um café preto na padaria e desabei no tapete do corredor. Fiquei vinte e uma horas fora do ar. Toda amizade masculina carrega um quê de veadagem. Talvez o Ciro. O Ciro, definitivamente.

    O Ciro passava o rodo. As mulheres só faltavam esfregar a xoxota na cara dele. O Ciro conheceu a Ruth na festa do Juliano e botou na cabeça que ia casar na igreja, com bolo, madrinha, véu e grinalda. Ele ficou alucinado com a Ruth. Ela era bonita mesmo, e inteligente, e sexy. O Ciro acreditou que o grande amor lhe abriria as portas da monogamia.

    Foi aí que ele começou a brigar com ela, briga feia, sem motivo. Por coisa nenhuma fazia as malas e saía batendo a porta.

    A Ruth enlouquecia, faltava ao emprego, emagrecia, e ele também. Dava uma semana, ele voltava e os dois fodiam como se tivessem acabado de se conhecer. Funcionou por uns anos, ele voltou a ficar corado, até que as discussões viraram uma rotina mais destruidora do que o antigo ramerrame doméstico. Ele primeiro se engraçou com a Marta, ou foi a Cinira? Ele comeu uma das duas, ou as duas juntas, enfim, eu sei que, depois que a porteira abriu, o Ciro traçou metade do Rio de Janeiro em pouco menos de um ano.

    A Ruth definhou. As mulheres cultivam a fantasia de que o verdadeiro amor é capaz de transformar os homens. O Ciro conseguiu ser pior que o Sílvio, porque o Sílvio nunca amou ninguém, mas o Ciro amava muito a Ruth.

    Começou no dia em que ela flagrou o Ciro na garçonnière do Sílvio com a mulher de um cliente dele. A Ruth arrombou a porta aos gritos, a amante se escondeu no. Depois disso o Sílvio foi proibido pelo condomínio de emprestar o apartamento.

    Limão Com Mel - Eu Jurei Não Mais Sofrer - Ouvir Música

    A Ruth continuou gritando no corredor, enquanto o elevador descia. A Ruth ainda demorou uns vinte minutos para aparecer, possessa, parada na soleira, pronta para o quebra-pau. Só que o Ciro, gênio, um canalha mas gênio, era só carinho. E continuou riscando o nome das moças do caderninho. Era uma base de três por semana, quatro, dependendo da carência que batia nele.

    Do Sílvio, eu esperava tudo, mas a frieza do Ciro com a Ruth foi chocante. Invejei o Ciro a vida inteira. Ele era muito bonito, daqueles caras que sabem jogar sinuca, futebol, peteca, pôquer, e ganham todas sem se esforçar. Arrastou a argentina para o quarto, foi cavalheiro.

    Eu me casei por causa dele. Como era solteiro, fui ficando de fora dos almoços de domingo. Depois, as duas dedicaram anos a falar mal de nós dois. Pensei que ele estava emagrecendo daquele jeito por causa das noitadas e do excesso de tudo.

    Ele tinha acabado de fazer cinquenta anos. Pensei no dia em que ele conheceu a Ruth na festa do Juliano, no casal bonito que eles formavam. O Ciro era o nosso Kennedy. Partiu seis meses depois desse encontro. Foram tantas, que eu só saía de casa com a roupa do corpo. Agora, carrego sempre um trocado para o assalto.

    Vai ver eram honestos. Pretos, de short, chinelo e sem camisa, mas honestos. Bota a culpa no Monteiro Lobato. Eu tinha doze anos. Ela sobreviveu e eu dei para a Rita, achando que estava apresentando o céu para ela, mas a Rita amarrou a tromba porque queria uma Barbie.

    Arranjou um médio, com um radiologista de Uberaba. O pai tinha uma clínica de imagem e o filho entrou para o ramo. Eles se conheceram numas férias dela em Ouro Preto. Meu genro é uma besta quadrada, do tipo que afirma que todo mal provém do stress.

    Sou acometido de um sono hipnótico toda vez que converso com ele. Pode ser em pé, sentado, no carro, numa festa horrorosa, dessas de fim de ano. Mal sabem eles que só estou me protegendo da chatice do ignóbil do pai deles. Qualquer garoto de rua tem uma genética melhor que a de vocês.

    A Rita me visita no Rio duas vezes por ano, quer que eu mude para Uberaba, imagina. Como se eu fosse resistir a Uberaba, e ela a mim, e eu aos filhos dela. Quando ela vem, procuro ser gentil, o idiota do marido sempre a tiracolo. Eu marco deles virem à noite, na hora da insônia, para ver se durmo no embalo da cantilena.

    Poderoso sonífero, o papo do meu genro. Mais cinquenta e sete passos e chego. Adoro contar os passos. E tem que agendar, e tem que trazer o protocolo, e guardar a via, e entrar na fila. Plano é igual INPS.

    O consultório do Mattos fica num edifício comercial aqui de Copacabana lotado de médicos senis. De vez em quando, um bate as botas. Que sirene é essa? É bombeiro, achei que era ambulância. Estou ficando surdo. Acho que meus óculos ficaram em casa. Que sirene é essa agora? É garagem. A garagem do meu prédio. Nem contei direito, vim conversando. Com quem? Conversando com quem? Comigo mesmo, que é com quem eu gosto de conversar. Tem um carro subindo a rampa, vem no embalo, melhor acelerar as pernas.

    Eu estou na sua frente! Finalmente, reparou, vai frear, se atrapalhou. Como assim, se atrapalhou? Quantos anos tem essa incapaz? Ela fez exame psicotécnico? Pode dirigir com essa idade? Achou o freio, estou ouvindo o cantar dos pneus. O carro continua andando; como assim, continua andando? Abre o olho, desgraçada, vem ver o que você aprontou. Um pulo.

    Vá Pro Inferno Com Seu Amor

    Dobro a perna direita, estico a esquerda e me jogo pra frente. Anda, a lataria no tergal! Andar deixou de ser um ato inconsciente. Aciono os comandos. Eu jogo o meu esqueleto em cima do pedregulho e ele solta? Quem foi o relapso que socou isso aqui? Cadê o empreiteiro? A queda. A minha queda, aquela que vai me fazer ter saudade do dia em que eu contava os passos no caminho do consultório do Mattos.

    De uma hora para outra serei tia Suzel. O cotovelo esfola, o quadril sai do lugar e a cabeça se precipita no granito bruto do meio-fio e bate, como um badalo de sino de igreja. Preto, preto, preto, preto, preto, cadê branco? Cadê as ondas do mar? O meu anjo da morte. Quem diria? Tem sangue saindo da minha cabeça. A perua do saiu do carro aparvalhada, o porteiro vem correndo.

    Estou bem, aqui. Foi bom lembrar dos amigos, nada é por acaso. Se houvesse outra vida, seria bom encontrar com eles, visitar o Ciro e o Sílvio no inferno, ia ser bom. Nem o budista reencarnacionista acha que vai voltar igual ao que foi. Vou estar na planta, na baba da lagarta que devora a planta, na mosca que lambe a baba da lagarta que devora a planta. Estarei por ali. Foi de bom tamanho, eu estava cansado.

    A indiferença daqui me cai bem. Falei muito mal das mulheres, elas merecem. Desintegro no ar sobre Copacabana. Uma vez, li que a morte era o momento mais significativo da vida, e é mesmo. IRENE recebeu com frieza a notícia da morte do homem com quem vivera quinze anos de sua juventude.

    SOFRER BAIXAR JUREI EU NAO MAIS

    A filha telefonou aflita de Uberaba, estava no aeroporto, o pai jazia numa geladeira no IML. Era assim que se referia a ele, o Equívoco. O cheiro ardia nas ventas, penetrando nos poros mesmo com as narinas tapadas.

    O assento rachado beliscou a coxa, obrigando-a a manter a perna sob vigília. O pesar rondava o rosto dos que, como ela, esperavam a vez. Absorta no limbo, assustou-se com um guincho agudo vindo do corredor. Levaram-na pra fora. Os urros na calçada a fizeram comparar o seu estado com o da gorda.

    Cento e dezessete, chamaram. Depois de se apresentar no guichê, foi conduzida por um rapaz de jaleco encardido até o elevador; subiram em silêncio, evitando o olhar.

    Saltaram no terceiro andar. Uma comprida galeria de portas fechadas se estendia a perder de vista. O ar funcionava melhor ali dentro, mas o fedor se agravara. Numa daquelas gavetas escondia-se o fantasma, o seu fantasma. Teve vontade de vomitar. Parado diante do segundo quadrado, no canto oposto à entrada, o rapaz fez sinal para que Irene se aproximasse. Sobre ela, o Equívoco. Nunca mais o vira. Aos poucos, a luz descortinou o nariz ainda mais adunco e as bochechas murchas.

    A papada e a calva unidas formavam uma moldura de pele enrijecida em volta do rosto. O cinza-pedra das feições. O trilho se estendeu até o final, permitindo enxergar os ombros mirrados, os braços finos, a barriga de sempre e os pelos embranquecidos.

    Constrangeu-a vê-lo nu. Como era pequeno. A boca arqueada se juntara ao sulco que partia das abas das narinas, criando um aspecto maligno que jamais tivera. A passividade cômica de antes cedera lugar a uma carranca tensa.

    Teria se tornado um homem mau? Os mortos nunca se parecem com os vivos, pensou. No casamento da filha? Enterro da Célia? De Neto?

    BAIXAR SOFRER EU JUREI NAO MAIS

    Na cama, com ele? Os quartos separados, o desconforto do par, a careca evidente, a raiva, a pança, o cansaço, a inércia e a brochura daquele homem. Do casamento, nenhum afeto sobreviveu. Ele devia ter virado padre. O que a prendia a ele? Aquela garota? O décimo terceiro da empregada?

    NAO SOFRER BAIXAR JUREI EU MAIS

    Queria viver, trepar, amar, e nem sabia se ainda restava tempo para aprender a fazer tudo isso. Casais bem mais realizados enfrentavam o seu fim.

    O Ciro e a Ruth. Ele é um zero, um nulo, um nada, como eu posso sofrer por um nada? Vera foi dura. A paciente ouviu ofendida. Aceitou o grupo. O pensamento vagara sem que se desse conta. Por que recordar daquela tarde? Foi objetiva. Sem mais, Irene Azevedo da Costa. Havia muito, para seu regozijo, o desquite, seguido de divórcio, extirpara o Soares de seu nome completo. Quando botou os pés na rua, o asfalto fervia. Uma da tarde. Queria voltar para a toca, tomar um banho e jogar a roupa e os sapatos no incinerador.

    Ela havia acabado de limpar a craca do IML no longo banho de chuveiro. Enterre seu pai sem autopiedade. Ele tinha mais de oitenta anos! Eu tenho setenta e três anos, mocinha! Eu é que devia te chantagear! O cortejo sairia às quatro. Era um Corsa velho, sem ar, com a marcha solta e um futum exasperante de odorizador de ambiente com sovaco de trabalhador. Quis saltar, inventar uma desculpa, mas teve pena do motorista. Mandou seguir. Mesmo respirando pela boca, o perfume azedo subia pelo paladar.

    Capela Achou que estivesse enganada,. Evitou revê-lo. Desviou para sentar-se nas cadeiras alinhadas em fila, encostadas na parede. Irene contava os segundos que a separavam da ducha que tomaria ao chegar em casa. Ninguém mandou flores, notou.

    Devia ter trazido uma revista. Cadê a Rita? Irene riu da besteira. Depois, o silêncio apossou-se dela. Da mudez, veio a lembrança. Os olhos de Irene marejaram. Foi um bom pai, pensou, e se enterneceu dele. Sentiu respeito e até saudade do homem deitado imóvel na sua frente. Foi assaltada pela viuvez. Humilde e respeitoso, um senhor abriu a porta. Ficou em pé, rezando, apoiado na madeira do esquife por largos minutos. Quando terminou, fez o sinal da cruz e se virou para a sala. A falta de quórum o constrangeu.

    Ignorando a reserva de Irene, avançou até a cadeira vizinha à dela. Que coisa…, balbuciou o homem. Pois é, que coisa, respondeu Irene. Melhor interrompê-lo. O tempo voa. Irene cogitou gritar por ajuda, tinha horror a clichês.

    É pra frente que se anda. O porteiro era uma metralhadora giratória de frases feitas. De uma hora pra outra, interrompeu o discurso. Deve ter cansado, pensou Irene, e deu graças por isso. Eu perdi minha mulher faz um mês. Ela… ela…, a voz embargou. Apesar das tentativas, foi impossível seguir adiante. Irene assistiu à pantomima de dor, ao vai e vem do pranto, aos espasmos e soluços, aos gestos desconexos.

    Ansiosa, olhou para a porta. Achei alguém para chorar o teu pai com você! E a senhora? Ah…, e se recompôs diante da objetividade da interlocutora. Irene o perdoou pelo transtorno e o assunto acabou subitamente.

    Ficaram calados, olhando o infinito. A praticidade da ex-mulher do condômino ajudou-o a voltar aos eixos. Rita chegou quase uma hora depois do porteiro. Seu luto se transformara numa burocracia infernal de carimbos, vias e assinaturas. Um problema com a papelada fez com que o enterro do pai fosse adiado para o fim do dia.

    Irene controlou o desespero. Ficar ali ainda uma hora. Foi uma fatalidade. Eu sei, concordava Rita. Irene ouvia entediada, tinha sono. Ainda faltavam uns bons palmos de azul para o entardecer. Sendo assim, Irene se voltou para ouvir o papo arrastado de Rita com o grilo falante. A luminosidade da janela dilatara as pupilas, o que fez com que seus olhos demorassem a se ajustar à pouca claridade do interior.

    O teto empreteceu, Irene sentiu vertigem e se amparou no espaldar do assento. Recostou a cabeça na parede, teve calma e aguardou a cegueira passar. Rita e o porteiro haviam saído. Pedia socorro. Acordou com um sobressalto. Irene demorou a focar. Quatro e meia. Eu estou cansada, preciso ir. Voltou para o velório. Estava em pé, em frente à entrada, quando alguém entrou chutando a porta.

    Rita, Irene e o porteiro se voltaram surpresos. Quem chamou este palhaço? Rita, foi você? Irene encarou-o indignada. Se a natureza fosse justa, a próxima seria ela. Preferia ser transferido para uma comunidade pequena, onde ainda houvesse fiéis. Via o quanto os seres urbanos eram hostis e descrentes da paz eterna. O entusiasmo de seminarista cedera espaço a um isolamento estéril, sem saída. Sonhava em celebrar casamentos, batismos, tudo menos aquilo. O convívio excessivo com a morte o tornara insensível.

    Padre Graça esperava resignado. Por isso, a perspectiva de enfrentar a sequência de velórios, no longo dia quente que se anunciava, lhe consumia os sentidos. Teria perdido a fé? A ideia de abandonar a batina o seduzia especialmente à noite, como um demônio insistente. Estava cansado da cruzada contra o fogo amigo dos evangélicos e o inimigo dos ateus. Perdemos a luta.

    Apesar da tristeza, os parentes se mostraram resignados com a partida da matriarca. Católicos praticantes, se empenharam na missa. No final, agradeceu aos presentes e confessou: Entrei aqui sem esperança, saio com ela redobrada.

    Novamente abalado pela quantidade de vezes em que Deus parecia dormir, padre Graça se deixou arrastar pelo pessimismo. Sou um coveiro de Deus, desabafou em voz baixa. Chegou a reduzir a marcha, certo da incapacidade de oferecer conforto. Preciso eu de consolo. O engano residia na benevolência passiva do sacerdote. De que serve a misericórdia? O catolicismo deve eleger a firmeza como aliada. Sou um pastor, percebeu, mas me castro na pele de ovelha. Afaste de mim a bondade. Serei impiedoso, viril, romano, bélico e voraz.

    O lado terrível do ser divino. O Antigo Testamento é meu guia. Padre Graça calou-se, parado, segurando a porta entreaberta, sem saber se aquele era o início ou o grand finale da missa. Padre Graça pousou os olhos numa velha dama elegante que o mirava assombrada. Era Irene. A próxima. Graça arrependeu-se da bravata, ensaiou uma reverência acanhada e partiu sem fechar a porta.

    O dia estava encerrado. Sua carreira também. Eu tenho que ir, Rita! Cadê o Cézar? Faço das nuvens escadas e do arco-íris uma passarela que me permite chegar nos limites dos teus sonhos.

    NAO EU BAIXAR SOFRER JUREI MAIS

    Apaixone-se pelas coisas imperceptíveis à olhos pouco sentimentais. Se eu soubesse, nunca teria sequer cogitado em desvendar essa casca que afasta sua índole da sua exterioridade. Manu Gavassi Inserida por manoelagavassi.

    O que eu faço com isso? Nunca tive sensibilidade muito menos paciência para aflorar esses aspectos disfarçados. Mas eu sofri demais!!!

    Quando jurei que você ia embora mas você decidiu ficar. Mas tem se tornado impossível aceitar o erro. Adicionar pensamento Romance no ar! Por dentro em me desmontava, eu gritava de desespero e dor, mas só eu ouvia. Seja o motivo de todos os sorrisos dela. Ano menina, permita-se, aceite-se e perdoe-se.

    Lih Jones Inserida por LihJones.