zeldagames.info
BAIXAR MOBI
 

VIVA A BAGACEIRA BAIXAR

zeldagames.info  /   VIVA A BAGACEIRA BAIXAR
postado por Elke

VIVA A BAGACEIRA BAIXAR

| Música

    Ouvir, Baixar gratuitamente a música Viva A Bagaceira - Hungria Hip Hop. Confira também outros sucessos de Hungria Hip Hop no zeldagames.info Clique agora para baixar e ouvir grátis Son D' Play - Viva A Bagaçeira postado por Edson Ramos em 19/04/, e que já está com Clique agora para baixar e ouvir grátis SON D PLAY VIVA A BAGACEIRA GRAVES VINICIUS CD´S DE PARNAIBA postado por VINICIUS.

    Nome: viva a bagaceira
    Formato:ZIP-Arquivar
    Sistemas operacionais: MacOS. Android. iOS. Windows XP/7/10.
    Licença:Grátis (* Para uso pessoal)
    Tamanho do arquivo:49.80 Megabytes


    A BAIXAR VIVA BAGACEIRA

    Foi nada no. Dir-se-ia um r a m o amarelido torreira da e s t a o. Diga, padrinho! Havia alguns tipos slidos, e n c o r p a d o s , de t r o n c o s fornidos cada animalo que era um milagre de resistncia. Limitavam-se a fitar os olhos terríveis nos seus ofensores. D e p o i s de velho é que fica perrengue — arriscou Manuel Broca. A v a n o u Pirunga e, n u m s rasgo brutal, arrancou-lhe a camisa em d u a s tiras. Por que no endireita a casa. Hp linkup viewer About the Attorney General. E, em sua dplice organizao m o r a l , em sua sensibilidade con- traditria, ria-se e comovia-se. V e n d o o tlamo floral. No tinham sexo, nem idade, nem condio nenhuma. Molhavam-nos com o orvalho restante. M a s Soledade inclinava-se sobre seu peito hirsuto. N e s s e m e s m o instante, pisca-piscou n o horizonte longnquo u m a claridade q u a s e imperceptvel. Valentim p e g o u. Soledade percebeu e s s a linguarice excitante. O bichinho corria pra me num berreiro de borrego enjeitado.

    Clique agora para baixar e ouvir grátis Son D' Play - Viva A Bagaçeira postado por Edson Ramos em 19/04/, e que já está com Clique agora para baixar e ouvir grátis SON D PLAY VIVA A BAGACEIRA GRAVES VINICIUS CD´S DE PARNAIBA postado por VINICIUS. Chacall / Aqui só rola coisa fina, o baile rola e ela desce / Viva a bagaceira, que hoje eu to putão / Tô sem limite no decote da novinha e ela mexe / Venha. Ouvir, Baixar gratuitamente a música Viva A Bagaceira. Part: Pedrinho Pegação - Neto Gasser - Ao Vivo Em Goiânia. Confira também outros sucessos de Neto. Mc Kaique Part Pikeno E Menor Banho De Mel (dj Luizinho) playsbaixar Hungriahiphop Misturou Ja Erabaixar; Son D'play Viva A Bagaceira.

    E Lcio ficou tocaiando as primeiras sombras do lusco-fusco, cor o fumo d e s s e incndio. A luz e r a u luxo da casa-grande. U m bruxuleio barato n o fundo d a biboca dos retirantes q u e , per- dida na a m p l i d o do latifndio, ficava m e n o r , s e m e l h a n d o um ninho cado, modificava-lhes a i m p r e s s o da vida. Na sala mal iluminada pela l a m p a r i n a da cozinha, Pirunga fumava com o cigarro oculto no c n c a v o da m o.

    Vai s e n o , Pegali empinou as orelhas e desenroscou-se n u m pulo. Q u e coisa! Valentim ergueu meio-corpo e t a r t a m u d e o u : V pro rapador! Ficara-lhe agradecido, d e p o i s d a c e n a d a estrebaria. Endireitou-se e pigarreou:. Meu velho no via b e m esse pegadio. I s t o , seu Valentim! U m a pitada. E continuou: Eu j era frangote e doido p o r u m a estrepolia. N u n c a mentiu fogo. Manuel Broca chasqueou: C o m e s s a lei aqui voc se e s t r e p a.

    Os olhos de Pirunga fuzilaram, c o m o um isqueiro. A filha, forada pelo sargento Arcanjo, ali na M a t a - L i m p a. A pelas 7 h o r a s , uma garoa subitnea chiava no teto de palha. E r a o prenuncio das primeiras guas, das c h u v a s janeirei- ras.

    Lcio impacientou-se. Queria ouvir o desfecho da r e t a r d a d a nar- rativa. Fiquei encafifado. E toquei-me pra l. Sa q u e sa feito.

    BAGACEIRA VIVA BAIXAR A

    J e r a idoso assim? Retomou: C o m o de fato, a derrota e s t a v a feita. M a s a m o a no tinha ningum por ela. Pois eu tirava os q u a r t o s de fora acrescentou Manuel Bro- ca. Maria de Soledade tossiu na c a m a r i n h a. Valentim falou mais baixo:.

    E fui direito fazenda de Quinco.

    BAGACEIRA BAIXAR A VIVA

    D e p o i s de velho que fica perrengue arriscou Manuel Broca. Pode ser Quinco baixou a grimpa. E a esquerda? Eu no queria q u e ela cismasse de minha idia. Procurei uma sada. Da a b o c a d i n h o , enxerguei o rio, l embaixo, feito um mar d'gua. Estava de beira a beira. A puxei o bruto e tibungo! Meteu-se o b r a o. Fiquei nos ares. E, c o m o ia na dianteira, sapequei-lhe o p na rosca da venta, que ele viu c a n d e i a s de sebo. A luz baa, mexida pelo v e n t o brinco, que ora q u a s e a enfiava pelo bico da lamparina, ora a p u x a v a em fitas de fogo, a m o r t i a v a - s e , Valentim saltou, de s u p e t o , no terreiro, j u n t o c o m Pegali q u e se precipitou na frente.

    N e s s e m e s m o instante, pisca-piscou n o horizonte longnquo u m a claridade q u a s e imperceptvel. O le- que luminoso abria-se e fechava-se, sem cessar. E ele c o m p a r a v a es- sas intermitncias s transies de seu esprito. Agruparam-se uns sobre os calcanhares e outros de p.

    A luz furta-cor, luz m e n t i r o s a , negaceava. E o velho referiu: C o m o ia dizendo, soltei-lhe um pontap de e s b a g a a r a dentu- a.

    O bicho deu o b u t e , ficou tirando fogo. A, dei um mergulho e, saindo por de- baixo, virei ele de p e r n a s pra riba. Segurei pelo c a c h a o e enfinquei- lhe o focinho na lama. Ele voltou bufando. Esperei ele n a s borbulhas. M o o , o senhor no magina! A, Quinco se grudou c o m i g o. Valentim virou o r o s t o : Arrochei-lhe a goela de c o m fora. Encalquei m a i s. Vi a hora que ele me arrancava a tbua do q u e i x o.

    Desceu-se no fundo outra vez. Eu queria quebrar-lhe o roo e ele j estava desbilitado. Ficou sem a o , fazendo ter- mo.

    Dei-lhe outro c a c h a o. E o sangue espirrou. E r a isso que eu queria. Um putissi! N o : o rio do Peixe. Fui em cima, botei Fifi na garupa. Sa que sa zunindo, chega levantava o pedregulho. Resistncia grantica, c o m o os afloramentos do Nordeste! Solidificao da famlia! P a t r o , faz toda vida que n o se e n t r o s a um forr intercedeu o feitor, c o m a fingida indiferena de q u e m pleiteia um desejo p r p r i o em nome de outrem.

    M a s Manuel Broca segredou-lhe um plano que ele acolheu e n t r e malicioso e desconfiado. V o a v a m fascas c o m o lgrimas de fogaru. O incndio esfumava-se, e s c u r e c e n d o a noite. L c i o voltou-se, afinal, atrado p e l o barulho da d a n a. P a r e c i a um inferno orgaco. Plantou-se face de S o l e d a d e , a fumar. Um cheiro a a l h o e a fer- mentaes crnicas.

    M e n i n o t a s modeladas c o m o m u l h e r e s feitas, c o m o s peitos apoja- dos de feminilidades indiscretas q u e lhes escandalizavam a p r p r i a inocncia. Risadas selvagens d e se- r i e m a s. Gritos vibratrios. E r a u m jbilo integral. Feliz e r a a sensibilidade que n o ia a l m da c a s c a grossa. Invejava e s s a vivacidade inconscien- t e. S u m a carcia n o doa: o cafun. M a s , s ve- zes, as unhas penetravam com mais bem-querer.

    Me largue de m o! O r a , que peitica! E l e , a cutuc-la: Deixa de luxo! O c a b r a arreliou-se: Velha caninguenta! E separavam-se, c h i a n d o : Qui qui-quiqui U n s procuravam os porretes. Outros protestavam: E s s e fregus dizendo d a m a! D a m a mulher da vida D a m a mulher -toa Latomia, por trs dos outros: Sertanejo b o c n o v o g a a q u i!

    Sertanejo cafifa! Pirunga n o fazia c a s o. O feitor aplaudia: I s t o , Pirunga! E, p a r t e : Mal-empregado! Os cambiteiros desforravam-se, puridade: A r r a s t o u a mala E l a n o d a n a c o m bangalafumenga daqui. O p a t r o d gs quele mequetrefe E as mulheres voltavam-se c o n t r a Soledade: A n d a c o m parte de santa, m a s o que ela u m a s o n s a de marca maior.

    U m a tipa muito entojada! Por ser sarar trata os mais de resto. A, negrada! Eita pau! Era um c m u l o de gentileza U m a bicada. O feitor diligenciava e m b r i a g a r Pirunga.

    Hoje aqui fede a chifre de b o d e. Eu s dou conta d e s t a pinia. A c a b o com esta futrica. A c a c h a a ia pegando fogo sensualidade mestia. M a s , ali no se brigava por mulher: o amor no valia u m a facada. E a poltica ad- versa despicava-se em seus m o r a d o r e s.

    Os correligionrios do poder m a n t i n h a m redutos de i m p u n i d a d e inviolvel; m a s os oposicionistas tinham s e u s domnios e x p o s t o s s represlias policiais. A cabroeira recuou. E Pirunga cresceu para a fora arbitrria: Q u e isso, p r a a? O sertanejo fazia frente a t o d a a tropa na confuso do conflito c o r p o a c o r p o.

    Seu olhar fuzilava na treva c o m o um sabre d e s e m b a i - nhado. O espaldeiramento e r a um som de garrafas q u e b r a d a s. Sapeca o p a u! Sujiga a praa! F u r a na veia da tripa! F u r a na tripa gaiteira! D a g o b e r t o sobressaltou-se, d a cama: Q u e barulho u m? S no havia a t a q u e histrico. Distinguia no a r r u d o lamentos e pragas; m a s no reconhecia a v o z de Soledade, abafada pelo berreiro d e s c o n e x o.

    E gritava por ela, c o m o um doido. Do lado de fora, ouvia a m e s m a algazarra indistinta. A barafunda alarmante. A q u e i m a d a estava circunscrita ao aceiro, c o m o um colar de rubis. A paisagem vizinha toda t o s t a d a e vermelha. A i n d a v o a v a m algumas fagulhas misturadas c o m os vaga-lumes. De veneta, correu at a coivara e trouxe um facho na mo c o m o p a r a alumiar.

    E chegou-o ao c o l m o velho. E, c h a m u s c a d o , triunfal, no desfecho esplndido, r e - fugiu, c o m seu fardo s u a v s s i m o , pela noite discreta. M a s , logo, ela soltou-se revoltada: E precisava isto? E n t o , eu no sabia sair do fogo? F e z sangue? N o o conheciam por n e n h u m a manifestao tutelar. E explicavam: Chegou e foi m e t e n d o o fandango. Passou o refe em t u d o. E c o m a camisa esfaqueada.

    T o d o s riram, at os feridos, porque ele nunca tivera u m a camisa inteira. Queria era pegar de jeito. Mas a fora abriu do c h a m b r e , ganhou os paus. Acudiu o feitor: Foi pantim, p a t r o. O fogo foi uma fasca da coivara. Foi nada no.

    E c o m o estivesse tiritando. Dagoberto argiu: Que isso! Frio pra mim c o m o passou. Se no mentiam as ms-lnguas. Pirunga soprava ainda, c o m o se estivesse expelindo os m a u s ins- tintos. Lcio desabafou: N o era pra m e n o s. Eu bem sabia que aquilo a c a b a v a pegando fogo E foi ver Soledade que estava queimada O amor uma g r a d a o dos sentidos: c o m e a pela necessidade de ver.

    Primeiro, um c a s a l somen- t e. Pegavam a rir. N o est ningum E apontando o cachorro: Pegali t a m b m e s t. Ela comps-se com um ar engraado. E, no interesse de examinar-lhe melhor a e x p r e s s o fisionmica, ele insistiu: F a a srio!

    V o c quer cara feia, n o? E fez um trejeito que n e m de leve lhe deformou a graa primorosa M a s , logo, endireitou-se, c o m faceirice, p a s s a n d o a m o no r o s t o e na cabea. M a s , n o sabia p o r q u e , achava-lhe um sainete n o v o na feminilidade indefinvel. L c i o continuava a simular q u e pintava.

    E l a desconfiou: Quem? M a s eu no tenho esta venta De fato, seu nariz e r a diferente, c o m um ar inconfundvel no li- geiro a r r e b i t o. E r a o tipo modelar de u m a r a a selecionada, s e m m e s c l a , na mais sadia consanginidade. Sabia q u e a fotografia n o e r a sua e alvoroou-a a curiosidade a nica forma d e impacincia d a mulher, esse apetite d o d e s c o n h e c i d o que constitui, as mais das v e z e s , o mvel de sua perdio a curiosi-.

    Afinal, no se c o n t e v e q u e no avanasse c o m o propsito feito de tom-lo. Segurando-a pelos b r a o s , e m a r c o , e m p r e g a v a esforos para mant-la distncia. Depois, rompeu o retrato. N o faa isso! Avistou Pirunga e n c o s t a d o num pau, de alcatia. Foi-se a ele. Depois, levando-lhe a m o ao o m b r o : N o deixes q u e ela caia na unha de um d e s s e s cafajestes. O rapaz c o b r o u confiana e despejou a alma: Soledade n o q u e r b e m a ningum.

    Lcio procurou a p l a c a r e s s e cime indomvel, m a s Pirunga soltou queima-roupa: At o senhor e s t a c e i r a n d o. N o , senhor! Eu n o maldo, no senhor! O estudante distinguia-lhe um trao de a m a r g u r a , que nem na odissia da seca.

    C o m o v e u - s e diante desse zelo selvagem e falou-lhe de molde a dissuadi-lo: N o por n a d a. A moagem parada. Queria ver se no puxava. Era para amansar E chegavam-lhe a i n d a o ferro p a r a ir a ferro e fogo. E r a a sorte d o s bois sertanejos na bagaceira Q u e m no cantava, assobiava. A m o a g e m ia, p o r assim dizer, de meia-noite a meia-noite.

    N o a ajuda? Entravam os muares gemendo, ao compasso da andadura: hum! Q u a n d o tocou o b z i o , Soledade passou-se bagaceira. Rezingavam n u n s violentos apelos nosologia popular: Molestado! M a s o fregus tinha n pelas cos- tas, e r a cheio de n o v e s fora.

    A, dei de garra do quiri. Agentou a primeira pilorada lep! E veio feito em riba de mim. V c o - mer terra! E confidenciavam: Eu arrenego da b o n d a d e deste calcanhar-de-juda. N o disfarava e s s a ojeriza. E n t r o u n a casa-grande pela primeira v e z. E , intencionalmente: bonita: d p a r e c e n a c o m ela Encontrou Lcio. Afinal, largou a p r e s a , levantou a perna e fez a sua necessidade em c i m a dela.

    Soledade queria, p o r fora, c o n h e c e r Areia. Valentim diligenciava despersuadi-la: Que ia empalh-lo. E s p e - rasse pela desobriga Ela instava: T o pertinho! E foi, afinal, j u n t a c o m o pai, num dia de feira. Da c h ela enxergou a gameleira imemorial, c o m o o cu verde da cidade.

    E, atreita a o s longos plainos nativos, s v r z e a s intrminas, co- m e o u a sentir a curiosidade d a s alturas. E, logo, fazendo negaas, sumia-se, parecia ter descambado no abismo. Resplandecia c o m a cal do casario b r a n c o d o u r a d o pelo sol montanhs. Toda ensoalheirada. Alteava-se e m desfila- d e i r o s. O horizonte trancava-se de um lado quase rente c o m os telhados e r e c u a v a , do outro lado, at a infinita perspectiva.

    A feira de c o c o s e r a um tintim por tintim Acho que morreu Tambm acho N o dizer q u e pedido de r d e a : cavalo liberal. R o n c a o palheiro. C a - valo fouveiro deixa o d o n o no terreiro. E iam logo d e s f a z e n d o no bucfalo: Cavalo melado mela o dono e o encerado P a r e c e quartau de fiana U m fecha-fecha! A feira desarticulava-se. Barafustava-se na i n c e r t e z a do rebulio.

    O l a d r o escapara-se pela ladeira do Quebra. E, volvendo-se, na carreira: Eu j volto j-j! T o m e sentido nela! L o u e bem-feita, sentia-se bela pelos olhos de t a n t a g e n t e. E encolhia-se na o n d a d o s feirantes. Deu-lhe d a d a. L c i o ofereceu-lhe a g a r u p a do seu alazo p a r a conduzi-la casa.

    Um bbedo, com as mos abanando: Hoje galo canta a n t e s do dia a m a n h e c e r. E L c i o ficava srio. E simulava inquietar-se: Se papai no der p o r m i m. Q u e r i a voltar, c o m a i n t e n o de rever a cidade ou de prolongar esse contato.

    Lcio retrocedeu constrangido. E ela alterou-se: L e s o! E s t no seu direito! Pirunga, interpelado, explicou: F o i p o r q u e e u m a l d e i. P o r e s s e eu b o t o a m o ho fogo tranqilizou-o Valentim. E, n o logrando condicionar-se vida sozinha, fugia ao tdio ca- seiro, v a g u e a n d o p o r vales e g r o t e s , c o m u m a vivacidade de p a s s a - rinho indomstico.

    S o r v i a o ar, farejando-lhe o almscar virginal. S oio o falao O stio arreava-se de festes i n c o m u n s. A florescncia incitativa requintava em milagres de a r o m a e de cor. E vedar-lhe a nica r e c r e a o compatvel c o m o seu gnio irrequieto, priv-la dessa existncia livre, enclausur-la na sujeio domstica seria subtrair-lhe t o d o o s a b o r da serra privilegiada.

    Milonga p e g o u - o s , de u m a feita, nesse colquio ao ar livre: Benza-a D e u s! E espiou para cima: M a s , isso srio! N a d a : e r a u m cupim indiferente.

    P i r u n g a tinha-os de olho. Punha-se de guarda, dissimulando-se nas r v o r e s mais folhudas ou a l a p a r d a n d o - s e nas moitas de c a m a r. N o que ele fosse catingoso.

    Efebo sadio, se tinha algum pituim, era o b o - d u m d o chiqueiro.

    BAIXAR VIVA A BAGACEIRA

    Vinha-lhe o apelido de um episdio da infncia. Ele nem se d a v a disso. Q u e gentil e m i m o s o animalzinho! T u d o se impregnou do mau odor. E, depois de muitas esfregaes, ficou s e n d o T i c a c a. E s s a vigilncia e r a u m incitamento. Flores singelas salpicavam a alfombra n u m a policromia profusa, c o m o se o ltimo arco-ris se tivesse d e s m a n c h a d o , aos pingos, na v e r d u r a a s s o - berbante. Havia pa- nos sujos de almas. E d a v a m trela: Ainda estou por ver u m a m o a mais foguete!

    N o vale mais u m dez-ris-de-mel-coado N o v logo! Bonita, n a d a! Soledade percebeu e s s a linguarice excitante. Coibiu o primeiro a s s o m o. E perguntava-se, c o m u m a ingnua cu- riosidade, p o r q u e essa a t o a r d a e r a inverdica. E r a um chilrear sem fim n o s moitedos frementes.

    Emendou, com um entono engraado:. Ainda, a sorrir, c o m u m a sombra de desdm no arrebito do nariz: Eu sou to fe-e-ei-a! Lcio retrucou, m a q u i n a l m e n t e mulher basta ser bela E, ao cabo, consolando-a: N o , Soledade, m e s m o com a seca.

    Em seguida, o estudante pegou-lhe as mos que, sem anis, eram mais ostensivas na sua beleza. Ela provocou outra confisso: E s t fazendo p o u c o em mim Soledade enfastiava-se d e s s a e x p r e s s o de inteligncia e de des- gosto. Lcio aconcheou a destra, colheu a gua e deu-lha a beber. Ela sorveu-a, aos estalidos, c o m os olhos verdes revirados e ficou chu- c h u r r e a n d o os beios na palma da m o t r e m e n t e. Depois de desse- dentada, comia-a de beijos. E ele, todo e s c a r l a t e , contraa os d e d o s e machucava-lhe a boca sfrega.

    Soledade a g a s t o u - s e , enfiada: Brejeiro! N o nega q u e brejeiro Voltaram contrafeitos e calados L c i o c o m a idia fixa da honra sertaneja e S o l e d a d e c o m o que repesa da efuso leviana.

    Ao separarem-se ela desculpou-se: Foi s brincadeira; p a r a ver o que voc fazia E ele, sem r e s p o n d e r , aspirou, longamente, a m o beijada; m a s.

    Mostrou-lhe a barra do vestido: Voc est livre, m a s olhe saia c o m o pega c a r r a p i c h o. Nesse caso, eu no posso ser sua irm E afastou-se, c o m o de vez.

    E feriu-se na m o. Voltou c o m uma graa careteira e o d e d o a sangrar. Lcio penalizou-se: N o tem n a d a : passa j. E ela deu-lhe o pingo de sangue a chupar at e s t a n c a r. Tinha na b o c a um ricto caricato e os olhos glaucos riam disfara- damente. O xexu pontual grazinou uma pilhria. Soledade gracejou: Voc chupou c o m tanta fora que o c o r a o ia saindo E, com uma ironia pronta: Agora, voc tem m e u sangue nas suas veias; agora, sim.

    Eu j o tinha. Vibravam, toa, o u t r a s vozes galhofeiras. E vivaz, c o m o se tivesse asas em t o d o s os sentidos, ela entrou em alegrias repentinas, nas repreensveis t r a v e s s u r a s de sua natureza in- dcil. A palpitao d a s narinas dava-lhe um ar mais p i c a n t e. Os passarinhos c a n t a d o r e s respondiam a e s s e riso de verda- de! Nisto, surdiu o feitor. Esfregou a m o na axila e tirou a caixa de maribondos, t o d o s q u i e t o s , inofensivos, c o m o a b e l h a s brasileiras.

    S via em Soledade a solteirinha intata, de u m a graa t o menineira, q u e , s v e z e s , tinha g a n a s de tom-la ao c o l o.

    A semelhana e v o c a t i v a amortecia-lhe os a p e t i t e s indiscretos que a n a t u r e z a velhaca lhe destilava no sangue tropical. E n t o , voltou-se p a r a L c i o , esquecendo-lhe o n o m e : Esse menino, voc t o capiongo: nem abre o bico. U m ventozinho madrigalesco mexia-lhe a s m a d e i x a s c u r t a s , ora alargando-lhe a t e s t a , o r a cobrindo-lhe os o l h o s. O sol crescia e se e n c h i a de luz pra ver melhor.

    Enjoava-se d e s s a s fantasias. Encalmava-se o dia. O dossel de maracuj c o m flores e fru- tos. Soledade c h a m o u : Quer entrar naquele sombrio? Ela levou-o pela m o. Era um leito macio e natural no folhio a m o n t o a d o. V e n d o o tlamo floral.

    Ocorria-lhe um p u d o r de ltima hora, pelo sim, pelo n o. Lcio ficou dentro, amuado: Bom! Ela foi sentar-se no cajueiro da alameda, o de galhos desiguais. Pirunga passou e deu-lhe uns favos de e n x u , trazido da mata. Afogueava-se a poesia do v e r o. Um bruto meio-dia. As cigarras aplaudiam a fulgurao triunfal. Rechinou um grito, a e s m o. E pegou o desafio sonoroso. Q u e m duvidar s ir ver na serra.

    As macabas prediletas tinham cigarras c o m o e s p i n h o s.

    A Bagaceira - José Américo de Almeida.pdf

    Parecia q u e o znite radioso apitava em cada raio sol. Na g r a n d e luz passou-lhe uma nuvem pelos olhos. E ele, sem dar p o r isso, de olhos fechados, puxou-a a si, passou-lhe a m o pelo pes- c o o e, apanhando-lhe o queixo entre os d e d o s , ficou a afag-lo, es- q u e c i d a m e n t e.

    D e p o i s , principiou a franzir os lbios, formando um bico suspeito Conhecendo-lhe a inteno, ela torceu a c a r a , c o m m e d o de algum beijo de surpresa. E esperou-lhe a b o c a ansiosa com o favo de e n x u. Q u e sabor dulcssimo! E, descobrindo a traa: Sabe q u e m a i s? C o m o rosto baixo, fitava nele os olhos revirados. Fiava-se nos t- xicos d e s s e olhar. P e r p e t r a v a leviandades gra- ciosas que no induziam a m e n o r malcia, m a s e r a m de molde a susci- tar desconfianas.

    N o parecia gua morta; no tinha a corriqueira insensi- bilidade de e s p e l h o , c o m fundo de lama. E ele esforava-se por persuadi-la da conscincia do lar. Ela redargia: Eu no vou nisso. E indicava ainda o mulungu. Na v e r d a d e , toda a rvore sangrava. Toda borrifada de sangue fresco, n u m a palpitao de carne viva. E Soledade l e m b r a v a o beija-flor que nidifica, de preferncia, nos ps de urtiga.

    A gente no pega, n o v E, levando a m o ao peito Sentia-lhe na p e n u g e m da nuca um cheiro extraordinrio de bogari machucado. Ela encolhia-se, a o s t o q u e s casuais: Olhe, direitinho! Isto q u e! A fervura do sangue queimava-lhe a c a r a. Pirunga tomou o v e r b o no sentido brasileiro e apresentou-lhe o peito forte: A b o t o e! Dagoberto c h a m o u L c i o parte e aferrolhou-se com ele. Enfim, tatibita- t e , referiu-lhe u m a t r a d i o local: Voc c o n h e c e a histria de Carlota?

    Era uma mulher do serto do Paje. E, tendenciosamente: E n t o , se b o n i t a. Basta- va ser espingarda do chefe, um homem de p o d e r e dinheiro que man- d a v a e m toda esta r e d o n d e z a. E, u s a n d o de u m a familiaridade a que L c i o e s t a v a desafeito: M a s , meu filho, a mulher parecia que tinha trazido t o d o o can- g a o do serto e o fogaru da seca debaixo da saia.

    Trajano C h a - con. A poltica virou. E nem lhe conto: morreu Beiju enforcado; foi gente pra F e r n a n d o. Os maiorais da terra E , n u m desalento patritico: Areia n u n c a mais se levantou!

    L c i o explodiu:. Sim, devia ser muito bonita! No a encontrou. Deu c o m ela, afinal, na mais grotesca atitude feminina, de c c o - ras, abrindo sulcos n u m leiro do c o e n t r o. Quedou-se a fit-la, em silncio, c o m os o l h o s gulosos, c o m o se nunca a tivesse visto.

    Idealizava-a numa figura de r o m a n c e. Afgurava-se-lhe que naquele grosseiro mister ela estivesse abrindo a vala dos futuros sacrifcios, dos holocaustos sua beleza fatdica. Liga-me aos teus m a u s angrios! E ele baixou-se e p a s s o u a examinar o c o r p o cilndrico da anfisbe- na, sem distinguir-lhe os olhos minsculos: D u a s c a b e a s e cega!

    E dizer que foi a prpria luz da intelign- cia que me cegou! Procurou escusar-se do seu ousio. M a s , Soledade fingia melin- dres: : voc m e r e c e um castigo Lcio pegou-a: Diga qual o m e u castigo. Veja s!!! T o m a n d o esse desplante em conta de brincadeira. E ela encalistrou: Brejeiro! N o nega que brejeiro Lcio no se dissociava do problema h u m a n o do Marzago.

    Sua n o v a sensibilidade tinha uma direo mais til e um mpeto criador. Reconciliava-se c o m a terra feracssima, isenta de t o d o s os obst- culos do t r a b a l h o : de n u v e n s de gafanhotos, tufes, g e a d a s , s e c a s , terremotos Ele calculava c o m o essa vitalidade poderia ser produtiva.

    E via a ndole de progresso do latifndio c o a r t a d a pelos vcios de seu apro- veitamento. A mediania do s e n h o r rural e a ral fa- minta. Tinha a intuio d o s reformadores; t e n t a v a assimilar os melhores estmulos da luta pela vida.

    Mas seu instinto de a o ainda era inutili- z a d o pelas sentimentalidades emolientes. Vises e x a g e r a d a s defor- mavam-lhe o equilbrio d a s relaes imediatas. N o e s confusas, pro- j e t o s imprecisos resultavam na incapacidade de realizar, no desastre d a s tentativas. C o m o risco de se malquistar com o pai. Pleiteava uma aplicao mais vantajosa d e s s a s foras m a l b a r a t a d a s. N o se pode dar um tipo mais lel. E n t r a v a m nas bibocas de gravata.

    Soledade saa, a o s e n g u l h o s , desse hlito de pocilga. O r a , lana at as tripas A natureza caridosa p r o c u r a v a encobrir e s s a misria.

    A jitirana encostava-se na baica infeta. O jardim nativo balsamizava essa porcaria. E o vento vinha varrer o terreiro. Era o scio da fome.

    Viva A Bagaceira

    O s pobres g o z o s herbvoros! S pelo g o s t o de se levantar e gritar da porta: Ca Desse m o d o , d e s c o n t a v a o servilismo irremissvel. Os meninos nus e r a m criados pelo sol enfermeiro. Divertiam-se p e g a n d o gafanhotos e lagartixas, m a t a n d o os bichi- nhos do m a t o divertiam-se, c o m o podiam, c o m e s s a s m a l d a d e s inocentes.

    Colhiam os frutos silvestres que a mata lhes d a v a da- d o s. E r a m mais alegres que os colegiais afortunados. Lcio o b s e r v a v a e s s a alegria, lamuriando: N o h n a d a mais triste do que u m a criana triste J o o T r o u l h o cedia ociosidade dominical. C o m o um lagarto preguioso. O sistema de s u p r e s s o da personalidade eliminava t o d o o p o d e r de iniciativa. Deitados, s e m e l h a v a m torres da terra preta.

    Era o mais afrontoso dos e p t e t o s. S havia d u a s infelicidades para essa c o n d i o indizvel: as bexi- gas e o servio militar. Mas na guerra improvisavam-se heris. Qual o seu maior desejo. Come com a testa Dagoberto tinha a experincia desse regime de privaes c r n i c a s : Pobre de barriga cheia. Deus te livre! Era uma penria ostensiva que no se e n v e r g o n h a v a nem se car- pia. Mas no tinham idia de nada melhor. E olhavam para cima e viam todo o cu de uma vez. Passavam fitas naturais nas a u r o r a s e nos ocasos miraculosos.

    Havia msica de graa nos coretos do a r v o r e d o. Perfume de graa em cada florao. E o sol fazia-lhes visitas mdicas e n t r a n d o pelos rasges d o s tug- rios. Afinal, valia a pena viver, porque ningum se matava. N o se tem fuga, patrozinho: no eito t o d o o dia que D e u s d.

    Se fosse coisa q u e se tivesse t e m p o , m a s no rojo de inverno a vero. E a gente no tem ganncia. O que adianta a gente se m a t a r? O patro toca da terra, sem se fa-. A m a n h e c e aqui, anoitece acol. Tem a justia. A gente de fazer isso! Por que no endireita a casa. Q u a n d o bota pra fora e a gente no ar- riba logo, quer, no fim de conta, tocar fogo e E faz isso?

    De toda viagem. Por que no cria galinha? Pra raposa passar no papo? Qual a parte que cabe ao lavrador?

    Faça o download também: O JOGO VIGILANTE 8 PARA PS2 BAIXAR

    Era o h o m e m que no sabia nada o instrumento inconsciente que tinha a e n x a d a c o m o o m e m b r o principal. Depois, passou a a p r o v a r tudo c o m o estribilho de uma inflexo peculiar: An, b o m! E ainda afirmava: N o deixa de no ser N e n h u m agenciava melhor sorte. Na rea da fartura, na gleba munificente, propcia a todas as culturas, essa gente vegetativa, de uma passividade fatalista, afeita lida de sol a sol, no plantava u m a rama de batata beira do r a n c h o.

    Lcio indicava o e x e m p l o do sertanejo: No r o a d o dele no canta cambonje. Chegou aqui chorando misria; chegou a p i t a n d o , com uma mo na frente, outra a t r s , mas se no b r o m a r. As borboletas brincavam com elas: d a v a m - l h e s pancadinhas nas faces, c o m o quem bate c o m um leque madrigalesce. E n c h i a m as panas, j que no podiam encher os estmagos. Os apetites c o m q u e a natureza capciosa e n c a d e a v a as geraes de- serdadas e r a m u m a srie de sacrifcios irresistveis.

    Fbrica de anjos. A fecun- didade frustrada pela misria e pela m o r b i d e z geral. Se algum vaga-lume errtico se s e n t a v a em seus c a b e l o s , parecia uma jia furtada. Na casa de farinha as raspadeiras c o m saias c o r de e s t o p a c o n s - purcavam a mandioca descascada.

    N o veio, c a b r a s d e u m a anatomia herclea suavam c o m o olhos- d'gua. A tarefa prorrogava-se pela noite. Soledade d e r a para esquivar-se de L c i o. Cabra que a gente enchiqueira: Chi- queiro, c a b r a!

    O estudante ficou-se q u e b r a n d o os galhos da guabiraba a que se encostara. Agora, se voc e s t aborrecida, o u t r a coisa. Pois b e m : foi o major que j u r o u b o t a r papai pra fora, se a gente ainda viver Viver o q u? Viver, c o m o l diz, feito a linha atrs da agulha E , alheada: Voc nem alinhavar quer.

    E continuou a dissimular-se nos mil m e a n d r o s do stio. Lcio a n d a v a , c o m o faro guloso, de latada em latada, rebus- cando-a, c o m o q u e m p r o c u r a a felicidade perdida. At q u e , um dia, saiu com Pegali. O c a c h o r r o afundou-se no capoeiro. Ele disfarou-se e e s p e r o u que Soledade sasse. E n t o , foi ver o seu esconderijo o dossel amplo e e s c u s o , c o m o um ninho proibido.

    E papelitos fechados c o m o para tirar sor- t e : o moo, o velho, o carrapato. M a s sentiu a impregnao dela nas flores inodoras da trepadeira. C o r r e u e perguntou quase sem flego: Soledade, q u e m velho? J sei C o m e o u a picar folhas e confessou c o m imperturbvel naturali- dade: Voc viu? Pois fique sabendo: o moo, n o digo; o velho seu pai; o carrapato Pjrunga E r a s o que faltava T e m muita coragem pra i s s o.

    R e m a t o u , pegando-lhe na outra orelha, c o m um mimoso fingimen- to: O l h e , L u : preciso que nos vejamos m e n o s pra no nos dei- xarmos de ver A a l m a fundida pelo sol da seca, afogueada pelas scuas do v e r o , andava farta de t a n t a solicitude ociosa, de um a m o r entretido de olhadelas e c o n v e r s a s fiadas que se d a v a por satisfeito c o m e s s a s ati- tudes de c o r a o.

    Uma derrota! Prosseguiu na sua faina, at q u e , p a s s a d o s alguns mi- nutos, se voltou c o m o olhar indiferente. Furou-se a t a c h a na segunda meladura O caldeirote de a p u r a r? E a caldeira de lim- par est p i n g a n d o , vai-no-vai Dagoberto arrepelou-se num esgar e abalou para a casa de caldei- ra. O parol cheio. Fui em cima. Saltei e o velho arrenegou. Um putissi! Ele voltou bufando. Desceu-se no fundo outra vez.

    N u m so- fragante trincou-me o dente a q u i. Encalquei m a i s. Valentim virou o r o s t o : — Arrochei-lhe a goela de c o m força. Agruparam-se uns sobre os calcanhares e outros de p é. E r a isso que eu queria.

    A luz furta-cor. Segurei pelo c a c h a ç o e enfinquei- lhe o focinho na lama. Saí que saí zunindo. E Valentim findou: — Agora: no o u t r o dia. De feito. Resistência granítica. Valentim Pedreira a tocaiar o re- l â m p a g o.. M a s Manuel Broca segredou-lhe um plano que ele acolheu e n t r e malicioso e desconfiado. P a r e c i a um inferno orgíaco. Um cheiro a a l h o e a fer- mentações crônicas. O fogo. O incêndio esfumava-se.

    De chofre. Vistos à distância. S o s t r a s multíparas. E ele saiu. Gritos vibratórios. A s próprias d o r e s físicas e r a m discretas.

    As raparigotas encolhiam-se. Risadas selvagens d e se- r i e m a s. Invejava e s s a vivacidade inconscien- t e. As raparigas agrupavam-se n o s c a n t o s da sala C h o r a r de barriga cheia. E separavam-se. O c a b r a arreliou-se: — Velha caninguenta!. Os cambiteiros desforravam-se. Sertanejo cafifa! U n s procuravam os porretes. O feitor aplaudia: — I s t o. Outros protestavam: — E s s e freguês dizendo d a m a!

    Baixar Música Viva A zeldagames.info3 - Hungria Hip Hop - Musio

    A c a b o com esta futrica. E as mulheres voltavam-se c o n t r a Soledade: — A n d a c o m parte de santa. Um pé-de-poeira. Eita pau! O feitor diligenciava e m b r i a g a r Pirunga.. Hoje aqui fede a chifre de b o d e. A cabroeira recuou. Donzelas equívocas da r e d o n d e z a acudiam ao estalo dos d e d o s. A n t e s que vibrasse o golpe. O delegado p a r o u. A c a c h a ç a ia pegando fogo à sensualidade mestiça. E a política ad- versa despicava-se em seus m o r a d o r e s.

    Seu olhar fuzilava na treva c o m o um sabre d e s e m b a i - nhado. Do lado de fora. A q u e i m a d a estava circunscrita ao aceiro.

    E gritava por ela. De veneta. Sapeca o p a u! Sujiga a praça! F u r a na veia da tripa! F u r a na tripa gaiteira! E chegou-o ao c o l m o velho. O espaldeiramento e r a um som de garrafas q u e b r a d a s. A i n d a v o a v a m algumas fagulhas misturadas c o m os vaga-lumes.

    A paisagem vizinha toda t o s t a d a e vermelha. D a g o b e r t o sobressaltou-se. Distinguia no a r r u í d o lamentos e pragas. A barafunda alarmante. Queria era pegar de jeito. Acudiu o feitor: — Foi pantim. Eu bem sabia que aquilo a c a b a v a pegando fogo. Passou o refe em t u d o. E foi ver Soledade que estava queimada. E c o m o estivesse tiritando.

    Dagoberto argüiu: — Que é isso! E c o m a camisa esfaqueada.. O fogo foi uma faísca da coivara. E explicavam: — Chegou e foi m e t e n d o o fandango. Pirunga soprava ainda.. Frio pra mim é c o m o passou. E fez um trejeito que n e m de leve lhe deformou a graça primorosa M a s. Pegavam a rir. D a v a m u m a s risadinhas perfeitas.

    Ele aparou-a num a b r a ç o e. Ela compôs-se com um ar engraçado. E ia re- tirar-se. E l a desconfiou: — Quem é?. E r a o tipo modelar de u m a r a ç a selecionada. Deixou-se v e n c e r. Soledade meteu o r e t r a t o no seio e ficou c o m um ar malicioso.

    Soledade a m a v a. Avistou Pirunga e n c o s t a d o num pau. É sua noiva. Segurando-a pelos b r a ç o s. O estudante distinguia-lhe um traço de a m a r g u r a.

    Prosseguiu sem fazer c a s o dessa rispidez. Foi-se a ele. E r a a sorte d o s bois sertanejos na bagaceira. A moagem parada. Era para amansar. Entravam os muares gemendo. E deitava cal.

    Soledade passou-se à bagaceira. Rezingavam n u n s violentos apelos à nosologia popular: — Molestado! M a s o freguês tinha nó pelas cos- tas. E veio feito em riba de mim. Seguiam-se lérias. Agüentou a primeira pilorada — lepó! E n t r o u n a casa-grande pela primeira v e z. E sentia q u e.. O estudante comparou a mentalidade do engenho.

    E confidenciavam: — Eu arrenego da b o n d a d e deste calcanhar-de-juda. E s p e - rasse pela desobriga. Sem n e n h u m sentimento do pitoresco. C a d a qual que quisesse atravessar-se diante da correria desorde- nada. Alteava-se e m desfila- d e i r o s. O horizonte trancava-se de um lado quase rente c o m os telhados e r e c u a v a. Resplandecia c o m a cal do casario b r a n c o d o u r a d o pelo sol montanhês. Toda ensoalheirada. E r a o porqueiro. A feira desarticulava-se.

    Valentim r e c o n h e c i a algumas filhas de pequenos fazendeiros c o m o criadas de servir. Barafustava-se na i n c e r t e z a do rebuliço. E iam logo d e s f a z e n d o no bucéfalo: — Cavalo melado mela o dono e o encerado.. U m fecha-fecha! P a r e c e quartau de fiança. E os ciganos. O sertanejo. Um bêbedo.. E encolhia-se na o n d a d o s feirantes. T o m e sentido nela! Deu-lhe d a d a. Pirunga q u e vinha vindo da feira divisou-os c h e g a d i n h o s na galo- pada solta.

    E ela alterou-se: — L e s o! A gente vai direitinho. E alongavam-se de c a s a. E os dois viviam. E r a u m a cigarrinha maliciosa. Só oiço o falaço. Milonga p e g o u. Sadia e viçosa. A florescência incitativa requintava em milagres de a r o m a e de cor. O sítio arreava-se de festões i n c o m u n s. P o s t o q u e incuriosa d a s coisas visíveis. E espiou para cima: — M a s , isso é sério! N a d a : e r a u m cupim indiferente.

    P i r u n g a tinha-os de olho. Efebo sadio, se tinha algum pituim, era o b o - d u m d o chiqueiro. Vinha-lhe o apelido de um episódio da infância. Ele nem se d a v a disso.

    Q u e gentil e m i m o s o animalzinho! T u d o se impregnou do mau odor. E, depois de muitas esfregações, ficou s e n d o T i c a c a.

    E s s a vigilância e r a u m incitamento. Havia pa- nos sujos de almas. Bonita, n a d a! Soledade percebeu e s s a linguarice excitante.

    Coibiu o primeiro a s s o m o. E perguntava-se, c o m u m a ingênua cu- riosidade, p o r q u e essa a t o a r d a e r a inverídica. E r a um chilrear sem fim n o s moitedos frementes. Emendou, com um entono engraçado: 70 enfiada: — Brejeiro!

    Ela sorveu-a. Ao separarem-se ela desculpou-se: — Foi só brincadeira. S o l e d a d e recebeu-o c o m u m a pontinha de mis- tério: Ela interpretou a seu m o d o : — Ah.

    Em seguida. Intentou voltar.. Depois de desse- dentada. Tinha na b o c a um ricto caricato e os olhos glaucos riam disfarça- damente.

    E ela deu-lhe o pingo de sangue a chupar até e s t a n c a r.. E vivaz. Os passarinhos c a n t a d o r e s respondiam a e s s e riso de verda- de!. E desferia a rir. Voltou c o m uma graça careteira e o d e d o a sangrar. O xexéu pontual grazinou uma pilhéria.. E afastou-se..

    A semelhança e v o c a t i v a amortecia-lhe os a p e t i t e s indiscretos que a n a t u r e z a velhaca lhe destilava no sangue tropical. Manuel Broca p a s s o u. Enjoava-se d e s s a s fantasias. O sol crescia e se e n c h i a de luz pra ver melhor. Só via em Soledade a solteirinha intata. U m ventozinho madrigalesco mexia-lhe a s m a d e i x a s c u r t a s. N e s s e ambiente afrodisíaco. Soledade q u e d o u. Ela foi sentar-se no cajueiro da alameda.

    Soledade c h a m o u : — Quer entrar naquele sombrio? Encalmava-se o dia. Pirunga passou e deu-lhe uns favos de e n x u í. As macaíbas prediletas tinham cigarras c o m o e s p i n h o s. E pegou o desafio sonoroso. Rechinou um grito. Um bruto meio-dia. Era um leito macio e natural no folhiço a m o n t o a d o. Q u e m duvidar é só ir ver na serra..

    Ela ia. Q u e sabor dulcíssimo!. Fiava-se nos tó- xicos d e s s e olhar. E esperou-lhe a b o c a ansiosa com o favo de e n x u í. E ria. Parecia q u e o zênite radioso apitava em cada raio sol.

    Na g r a n d e luz passou-lhe uma nuvem pelos olhos. C o m o rosto baixo. E indicava ainda o mulungu. E Soledade l e m b r a v a o beija-flor que nidifica. A fervura do sangue queimava-lhe a c a r a.. E ele esforçava-se por persuadi-la da consciência do lar. Toda borrifada de sangue fresco. U m a tardinha. Ela encolhia-se. E nem lhe conto: morreu Beiju enforcado.

    Pirunga tomou o v e r b o no sentido brasileiro e apresentou-lhe o peito forte: — A b o t o e! Os maiorais da terra. Continuou: — Carlota chegou aqui na tira. G r a v e e contrafeito A política virou. Trajano C h a - con. E teria investido. Basta- va ser espingarda do chefe. Ele seguiu-a. Soledade fingia melin- dres: — É: você m e r e c e um castigo. E ele baixou-se e p a s s o u a examinar o c o r p o cilíndrico da anfisbe- na.

    E ela. Idealizava-a numa figura de r o m a n c e. Afígurava-se-lhe que naquele grosseiro mister ela estivesse abrindo a vala dos futuros sacrifícios. E dizer que foi a própria luz da inteligên- cia que me cegou!. Procurou escusar-se do seu ousio. T o m a n d o esse desplante em conta de brincadeira.

    Visões e x a g e r a d a s defor- mavam-lhe o equilíbrio d a s relações imediatas. A mediania do s e n h o r rural e a ralé fa- minta. E exibiu-lhe — logo q u ê? Ele calculava c o m o essa vitalidade poderia ser produtiva. Reconciliava-se c o m a terra feracíssima. N o ç õ e s confusas.

    E ela encalistrou: — Brejeiro! C o m o risco de se malquistar com o pai. O s pobres g o z o s herbívoros! Era o sócio da fome. O jardim nativo balsamizava essa porcaria. A natureza caridosa p r o c u r a v a encobrir e s s a miséria. E n t r a v a m nas bibocas de gravata. O s cochicholos s e c o s. Só pelo g o s t o de se levantar e gritar da porta: — Ca. Soledade saía. A c a n z o a d a magérrima juntava-se no faro do cio e. E o vento vinha varrer o terreiro. E r a m mais alegres que os colegiais afortunados.

    Colhiam os frutos silvestres que a mata lhes d a v a da- d o s. Divertiam-se p e g a n d o gafanhotos e lagartixas. C o m o um lagarto preguiçoso. Se fosse coisa q u e se tivesse t e m p o. Nada tinham de seu: só possuíam.

    Passavam fitas naturais nas a u r o r a s e nos ocasos miraculosos. Deus te livre!. Viver assim era. O que adianta a gente se m a t a r? Era o mais afrontoso dos e p í t e t o s.. Dagoberto tinha a experiência desse regime de privações c r ô n i c a s : — Pobre de barriga cheia. Mas na guerra improvisavam-se heróis.. E olhavam para cima e viam todo o céu de uma vez. N e n h u m agenciava melhor sorte.

    Chegou aqui chorando miséria. A todas as o u t r a s perguntas.. As borboletas brincavam com elas: d a v a m. De u m a hora pra outra. A gente é de fazer isso! Os apetites c o m q u e a natureza capciosa e n c a d e a v a as gerações de- serdadas e r a m u m a série de sacrifícios irresistíveis. Pirunga saiu. Cabra é que a gente enchiqueira: Chi- queiro.

    A fecun- didade frustrada pela miséria e pela m o r b i d e z geral. Filhavam u m a e. N o veio. U m a feita. A tarefa prorrogava-se pela noite. Ele disfarçou-se e e s p e r o u que Soledade saísse. E papelitos fechados c o m o para tirar à sor- t e : o moço.

    Ele até gosta que eu lhe faça g u a r d a. Pois fique sabendo: o moço. O estudante ficou-se q u e b r a n d o os galhos da guabiraba a que se encostara. E continuou a dissimular-se nos mil m e a n d r o s do sítio. C o r r e u e perguntou quase sem fôlego: — Soledade E r a só o que faltava. Prosseguiu na sua faina. Surdiu Pirunga e. A a l m a fundida pelo sol da seca.

    Dagoberto arrepelou-se num esgar e abalou para a casa de caldei- ra. O parol cheio.

    BAGACEIRA BAIXAR A VIVA

    C a n a a secar no partido. A c o s t u m a d o aos freqüentes transtornos d o trabalho. Uma derrota! E falou-lhe. Furou-se a t a c h a na segunda meladura. O picadeiro atulhado. T e m muita coragem pra i s s o. T u d o se fundia em lama.. M a s a atmosfera ficara-se. Veja c o m o o s sertanejos. Dir-se-ia a ruptura do céu num despejo fragoroso. E r a m noites infinitas. Se resistir. Tinha Saudade da q u e n t u r a d a s estiagens fatais. A saparia c o m e ç a v a a toada de sete fôlegos.

    Mananciais a o s gorgolhões. D e primeiro. Ela aquiescia. Soledade achegou-se: — U m a história. Levantou o tempo. E n e s s a mobilidade tinha t o d o o seu enleio natural. Um beijo que lhe deixasse u m a cicatriz n ' a l m a.

    Queria sorver-lhe o a r o m a car- nal q u e se b e b e em beijos. Que cruviana! Os outros moradores observavam: — Vive de orelha em p é ; a n d a de v e n t a inchada Mas a idéia t e i m o s a fermentava. E r a um rói-rói diuturno. Ele sondava Pirunga p o r palavras t r a v e s s a s. Referiu-lhe u m a circunstância q u a l q u e r. E Valentim e s p r e i t a v a tresnoitado. Reprimia, a c u s t o , a rebentina. Valentim tossiu. Pacificava a h o n r a sertaneja. C o r i s c o sol- tou um rincho q u e parecia falar.

    O sertanejo e s t a c o u t o m a d o de supersticiosa curiosidade. O vaqueiro! Valentim c o r r e u. Imagi- nou o rio escapando-se no a r r e m e s s o transitório.

    A t a r d e languescia. Vinha-se a noite fechando. Faziam-lhe mal a s indecisões d a luz m e d r o s a. Pirunga confiou-se à veia r e p e n t i s t a.

    A m i n h a a l m a de velho Anda agora renovada. Chega sem ser esperada. Interpretava-se o p r ó p r i o sentido d o silêncio d e algumas e s t r e l a s. Virava-se n a c a m a. O galo da casa-grande a m i u d o u. Sentia em t o d o o seu mistério a noite primitiva. A noite s e m fala parecia e n g a s g a d a pelas sombras espessas.

    Pegali ladrou g r o s s o. A nostalgia quebrantava-lhe o pen- s a m e n t o d e vingança. O silêncio deixava-o p e n s a r p o r c o n t a própria s e m v o z e s p e r t u r - badoras nem sugestões conselheiras.

    E u m a idéia fixa na mira. Um vem-vem provocativo começou a cantar. E ele ajustava a espoleta. Mulheres assustadiças arrepiavam caminho. L e v o u a garrucha à cara. E Valentim fazia frente a v i n t e. Encorajou os c a p a n g a s : — Brejeiro. Alheio à s circunstâncias d a luta.

    Dagoberto mudou de tom: — Velho. Pirunga varou a o n d a hostil q u e lhe franqueou p a s s a g e m e foi p o s - tar-se ao lado de Valentim: — Mas. Pirunga desenganou-o: — Eu queria tanto! E embatucou. Só se escutava um barulho de ramos. Pirunga obstou-lhe o ingresso. Aqui só eu e Pegali! P a s s a r a m a recriminar-se e m silêncio. Avançou cego. A c h a m a envolveu-lhe o seio. D a g o b e r t o chegara a franquear-lhe os meios de u m a viagem de re- creio. Soledade mal levantou o rosto da costura: — E s t o u cosicando isto a q u i.

    C o m o quer que fosse. Ao vê-lo. Ele divisou-a. T e n t e a v a aferrar pela goela. Escravizara-se às formas e x t e r i o r e s refletidas em sua sensibilidade. E volveu-se. O espírito m o d o r r o enfastiava-se da mesmice do c a m p o.

    A coruja, desconfiada, recolheu-se ao seu esconderijo. Pegou a cantoria das estrelas e s c o n d i d a s. Um ruidoso meio-dia à meia-noite.